31.10.02

It isn't often that a food company tells its customers that it should eat less of its food. But that is what McDonald's appears to have done in France.
Acho uma grande palhaçada esses processos contra a indístria de tabaco e fast food. Todo mundo sabe que cigarro faz mal e comida engorda. Adultos têm - ou é suposto que tenham - capacidade de avaliar os riscos e as recompensas de seus comportamentos. Exigir que os riscos sejam claros é fundamental, mas processar os fabricantes é uma grande admissão de retardamento mental.

(Se você não é cadastrado no New York Times, use leituras como usuário e dodia como senha.)
Não tou nem aí se não se comemora isso por aqui ou se é maisuma prova da influência negativa da cultura americano sobre nossas tradições: hoje é Dia das Bruxas. Para comemorar, que tal assistir um desses filmes assustadores?
Essas colunas sobre os livros do vestibular estão me quebrando. Além de ter que pesquisar um bom tanto para escrever qualquer coisa, me sinto um grande picareta falando desses livros. Não sou especialista no assunto nem professor dfe literatura.

30.10.02

Cientistas do exército americano estão pesquisando sanduíches que durem trÊs anos sem refrigeração em consições climáticas diversas. O mais difícil é justamente o que os soldados mais pedem: pasta de amendoim e geléia.
Look at those silly superheroes.

Comic books are all about silly superheroes, except this one here.

Wow! Those silly superhero comics you read when you were young and stupid are worth a ton of money now! Don?t you wish you?d kept yours, stupid?
Segundo Steven Grant, essas são as três matérias que os grandes media fazem sobre os quadrinhos.

29.10.02

Depois de um longo mês, tem história nova no Aoristo: Parábola III. A quarta parte de Girls as a Memetic Infection deve estar no ar na sexta.
Essa é uma das melhores entrevistas com Warren Ellis que já vi. A repórter evita temas óbvios - como The Authority, fazendo um grande serviço em apresentar Ellis para uma audiência mais ampla.
Continuando a série de matérias sobre o Dia das Bruxas, a Salon publicou hoje um texsto sobre os julgamentos de Salem.
Não existe um Nobel em economia, mas algo muito parecido.
Uma das revistas mais importantes das últimas décadas está fazendo 50 anos. É meio difícil ver alguma novidade - ou qualquer coisa interessante - na Mad, mas as influências são visíveis em vários lugares.
I spent hours putting that cassette together. To me, making a tape is like writing a letter -- there's a lot of erasing and rethinking and starting again, and I wanted it to be a good one, because . . . to be honest, I hadn't met anyone as promising as Laura since I'd started the DJ-ing, and meeting promising women was what the DJ-ing was supposed to be about. A good compilation tape, like breaking up, is hard to do. You've got to kick off with a corker, to hold the attention . . . and then you've got to up it a notch, or cool it a notch, and you can't have white music and black music together, unless the white music sounds like black music, and you can't have two tracks by the same artist side by side, unless you've done the whole thing in pairs and . . . oh, there are loads of rules.
Nick Hornby, High Fidelity
As I sat pondering the President's motives one day, it suddenly dawned on me that it is entirely likely our Commander in Chief has never played a single video game in his life. "Of course!" I exclaimed, startling my girlfriend, who was driving at the time. "Without the catharsis that video games provide, Bush has no way of fulfilling his militaristic fantasies other than actually fighting wars."
O feriado mais legal de todos não tem nem um século, apesar de tirar onda de antigo.

28.10.02

Comecei a ler Húmus, do Paulo Bullar. O primeiro livro publicado pela Livros do Mal por alguém de fora do Rio Grande do Sul é bem diferente dos dois que tinha lido. Os textos - agrupados em capítulos (?), grupos temáticos (?) - variam muito no tamanho, com alguns efeitos interessantes. Ainda li muito pouco para um diagnóstico, mas ele deve vir em breve.
Many of the writers may be younger than Kissinger, but few people who have been to authors? readings lately would deny that there?s a growing sense of cultural authority emanating from novelists. In fact, the new popularity of readings as social events suggests to Norman Mailer that a significant social shift is underway.
O segundo número de Egomania - o novo projeto de Eddie Campbell - vai trazer uma entrevista com Alan Moore. Alguns trechos estão disponíveis.
General Humberto Castelo Branco
Humberto Castelo Branco: O único representantq brasileiro na série de cards Friendly Dictators. O que será que ele acharia disso?
Dia de Gibi Novo: Road To Perdition

Li, no último fim de semana, os quadrinhos que inspiraram o filme - apenas razoável - com Tom Hanks e Jude Law. É claro que o livro de Max Allan Collins e Richard Piers Rayner é muito melhor.

Apesar de contar mais ou menos a mesma história, o filme peca por ser um tanto sentimental demais. Além disso, a hq é muito mais intensa. Há uma inspiração e um ritmo próximo aos mangás e às narrativas "descomprimidas" que Warren Ellis usa em Planetary que funcionam muito bem nas cenas de ação.

Há uma preocupação visível com os cenários e os detalhes - que realmenta dão o clima de desalento da Depressão - clima ausente no filme, que preferiu uma visão meio nostálgica da época.
Se você não me deu nada no meu aniversário, ou está pensando no que me dar no Natal, aqui tem sugestões.

26.10.02

Se falta no cinema americano a ousadia de fugir dos gêneros e assumir o aspecto de arte do negócio (além de bons escritores, não argumentistas), como as fórmulas de Bollywood podem trazer alguma novidade?
O Viagra está salvando milhares animais. Desde que a droga foi introduzida no mercado, o tráfico de orgãos que supostamente ajudariam contra a impotência caíram até 70%.
Only Connect
As crianças finlandesas não querem mais saber de brinquedos chatos. Os moleques querem telefones celulares.

(Se você não é cadastrado no New York Times, use leituras como usuário e dodia como senha.)

25.10.02

O organização Repórteres Sem Fronteiras publicou a primeira lista com os índices de liberdade de imprensa no mundo. Finlândia, Noruega, Islândia e Holanda são os países com a imprensa mais livre. O Brasil aparece em 54º lugar, atrás de buracos como Nigéria e Uganda.
Mark Miller, Brian Hitch e um amigo deles usaram um tábua de ouija para entrar em contato com Jack Kirby. Não conseguiram, mas o resultado foi bem interessante
A desorganização do E-Bay - somada à cretinice do Digital Millennium Copyright Act (DMCA) - está impedindo um músico de vender seus próprios discos no site.
O Arts and Letters Daily - o melhor blog de todos - voltou dos mortos!

24.10.02

Estou lendo Distúrbio Eletrônico escrito pelo Critical Art Ensemble, na edição bonitinha da Conrad. Decidi que cada capítulo é independente dos outros e já li a introdução e o segundo e último.

Achei o segundo capítulo o mais interessante até agora. Tratando da inadequação do documentários às necessidades dos movimentos revolucionários, o texto mostra como é fácil organizar um documentário de modo a expremer certas reações da audiência. Esse trecho dá uma idéia do resto:

The medium of video was born in crisis. This postmodern technology has been shoved back into the womb of history with the demand that it progress through the same developmental stages as its older siblings, film and photography. The documentary?the paramount model for resistant video production?gives witness less to the endless parade of guerrilla actions, street demonstrations, and ecological disasters than it does to the persistence of Enlightenment codes of truth, knowledge, and a stable empirical reality. The hegemony of the documentary moves the question of video technology away from its function as a simulator, and back to a retrograde consideration of the technology as a replicator (witness). Clearly technology will not save us from the insufferable condition of eternal recurrence.
Até agora, estou achando bem melhor que Taz. Se Distúrbio não traz tantas idéias interessantes quanto o livro do Hakim Bey, ele é muito mais profundo e rigoroso em suas análies.

O livro está disponível na rede, no site do Critical Art Ensemble. É claro que em inglês e em pdf.
Em resposta a pedidos de governos, organizações religiosas e companhias diversas, o Google censura os resultados de algumas buscas. Lei é lei e a empresa tem que cumprir, mas é importante que os usuários saibam que certos resultados não estão disponíveis e quais são as razões.
Começando as colunas sobre os livros cobrados no vestibular da UFBA, A Hora da Estrela.

Quando eu vejo as questões sobre os livros, percebo que ler qualquer um deles é absolutamente dispensável. É muito mais jogo anotar as coisas que o professor fala, descolar uma cópia e enfiar um gibi no meio. Para quem só quer passar no vestibular, é mais que suficiente.

Na época que eu fiz terceiro ano, eu li a maior parte dos livros da lista - bem maior que hoje, mas sem nenhuma lógica discernível por trás. De qualquer modo, era muito melhor que estudar de verdade.
Dorian Gray, fed up with stupid questions about how he maintains his youthful vigor, goes to his attic and drags down the painting that contains his soul.
A melhor abertura para uma história que eu vejo em muito tempo é essa aí, de Outsider Art, escrita por Richard Kadrey. Toda semana tem um nanoconto novo no Infinite Matrix.
Dia de Gibi Novo: Signal to Noise

Sabe quando você lê um livro ou vê um filme e gostaria de ter sido o autor? Não só por ser algo muito bem feito, mas por ser óbvio que é para aonde suas ambições e esforços estão levando você? Signal to Noise - de Neil Gaiman e Dave McKean é uma das hqs que eu queria ter feito (outra é Face, de Milligan e Freguedo).

Apesar de ter conhecido seu trabalho através de Sandman, acho que os melhores trabalhos de Gaiman são aqueles nos quais o sobrenatural aparece menos. O forte dele é a prosa e a caracterização - o que é visível por baixo do verniz místico das histórias com Morpheus. Entre as hqs dele mais pé no chão, Signal to Noise é a melhor (as outras são Violent Cases e Mr. Punch).

Signal to Noise conta a história de um diretor de cinema que está morrendo de câncer e começa a fazer seu último filme em sua cabeça, como forma de passar o tempo. Refletindo a mortalidade recém-percebida do diretor, o filme é sobre o fim do mundo que se esperava no final do primeiro milênio. Conforme Apocatastatis vai se desenvolvendo, seu autor vai reavaliando seu papel como artista e pessoa.

Além de ter uma história muito bem feita, Signal to Noise é linda. A arte de Dave McKean - em tamanho grande, ainda por cima - mistura fotografia, desenhos, recortes e stills de vídeo em páginas muito bem compostas. Cada uma delas poderia ser um pôster. Também notável é como as imagens realmente ampliam o significado das palavras, em uma harmonia impressionante.

O título da história serve de mote para todos os elementos da obra. Enquanto o texto trata tanto da dissonância entre a intenção do artista e a obra final, quanto da reflexão sobre o que é realmente importante em nossas vidas, a arte constantemente se desfaz em sinais sem sentido.

Quando releio Signal to Noise - publicada pela primeira vez em 1988 - fico muito decepcionado com o rumo que o trabalho de Gaiman tomou. Apesar de ser um autor bastante competente e com rompantes de genialidade (Death: High Cost of Living, Stardust e suas histórias em Miracleman são provas disso), a escolha por se debruçar sobre fantasia e horror exclui a possibilidade de futuros trabalhos mais desafiadores e com temas mais relevantes.

23.10.02

"Know thyself," the Greek sage advised. But of course this is nonsense. Truly happy people live by the maxim "Overrate thyself."
Para comemorar seu ducentésimo aniversário, o escritório americano de patentes reuniu 37 inventores, que discutiram maneiras de fomentar o surgimento de futuros colegas.

(Se você não é cadastrado no New York Times, use leituras como usuário e dodia como senha.)
SPACE ALIENS SIGNED THE MOON OVER TO ME. . . AND I HAVE THE CONTRACT TO PROVE IT!
Estou com um monte de livros que quero muito ler empilhados na minha frente, mais outro monte que preciso - e quero - dentro do armário. E mesmo assim vou na livraria e fico louco para arrastar dois ou três para casa comigo.

Além disso, preciso muito ler Channel Zero. Noite passada, sonhei que minha namorada Donna Pinciotti (é, a de That 70's Show) me dava de presente uma versão gigante da encadernação. Autografada pelo Brian Wood. Depois disso acontecia algum coquetel cheio de gente estranha.
A primeira história em quadrinhos que Matt Fraction, Man of Action escreveu foi Mantooth. Aqui tem um pedaço cheio de zumbis. Mó demência.

22.10.02

Existem coisas que só os quadrinhos podem fazer?
Eye Candy
Os próximos X-Men e Matrix podem não prestar, mas desde já são lindos. (O primeiro link foi roubado do Fórum do Escritório Noturno)
A "primeira prova da existência de Jesus" é um ossuário onde está escrito "James, filho de José, irmão de Jesus". Os três nomes eram muito comuns na época em que Cristo teria vivido. Segundo o autor da descoberta, a possibilidade de ser coincidência é muito pequena.

Claro que não é o autor da descoberta a pessoa mais indicada para comentá-la.

Me intriga a necessidade de confirmação história para a existência de Cristo. Para os fiéis, não deveria ser só uma questão de fé?
Um já era mais que suficiente:

JK Rowling's agent has dismissed newspaper reports there will be an eighth Harry Potter novel despite her vow to only write seven.

21.10.02

Já terminei Primeiros Encontros - Um Livro de Encontros Memoráveis de Nancy Caldwell Sorel e Edward Sorel. O livro é uma coleção de textos que saíram na cabeçuda (e deliciosa) The Atlantic Monthly narrando os primeiros encontros de personalidades diversas.

Algumas histórias valem por mostrar como certas pessoas (Hitler e Mussolini ou Byron e Shelley) foram parar juntas. Outros são legais por serem de pessoas que eu nunca imaginei juntas (Thomas Edison e Sara Bernhardt ou William Hearst e Orson Welles) e outros por terem dado em romances (Mary McCarthy e Edmund Wilson ou Sartre e Beauvoir). Acompanhando as narrativas curtinhas - mas empolgantes - de Nancy Sorel estão os cartuns belíssimos de seu marido Edward Sorel.

Esse tumor - juro que tem um tumor aí - transformou um homem sexualmente "normal" num pedófilo. Sério.

20.10.02

LAW professors rarely boast an army of ?fans?, but Lawrence Lessig is no run-of-the-mill academic. Now at Stanford University, formerly at Harvard, Mr Lessig has become a rock star of the information age, mixing scholarly inquiry with barnstorming activism on many issues.

19.10.02

Dia de Gibi Novo: X-Statix 1 e 2

Um amigo me deu os primeiros números (e os próximos dois, que ainda não chegaram) de X-Statix, a série que substituiu a X-Force de Peter Milligan e Mike Allred. A mudança do título no mundo real - por conta da pressão dos fãs da porcaria que tinha o mesmo nome antes - é refletida no universo ficcional: a equipe anterior ainda tinha os direitos sobre o nome.

Tirando isso, a série continua no mesmo esquema, mostrando super-heróis que agem por fama e dinheiro, correndo atrás de mais fãs em lugar de lutar por qualquer ideal. Essas duas edições tratam de como os X-Statix estão lidando com a concorrência, um grupo de mutantes chamado O-Force. A solução não é nada bonita: jogar o grupo rival contra um menino que domina uma cidade com seus poderes, um inimigo invencível. Além de extremamente poderoso, o menino é um menino, o que automativamente garante a simpatia de todos. "This is how the superhero business works", como lembra o empresário da equipe e autor do plano.

Fui procurar nos meus arquivos um texto sobre cinema e acabei indo parar num outro sobre os blogs de jornalistas. Apesar de implicante - como o Suck sempre foi - o texto levanta alguns pontos interessantes sobre esses blogs.
1. Hard Boiled
2. The Enigma
3. LCD
4. Superman 400
5. Swamp Thing 165
6. Violent Cases
7. Elseworld Giants
8. Batman Annual
10. Skreemer

Esses são os dez quadrinhos desconhecidos de Mike Millar mais gosta. Três deles - Violent Cases, Skreemer e The Enigma - também estão na minha lista de tesouros desconhecidos. Qualquer um dos três é muito melhor que qualquer Cavaleiro das Trevas.

Aliás, o número de tesouros enterrados é imenso. Warren Ellis tratou do mesmo tema Brainpowered de ontem.

18.10.02

Ah, ia me esquecendo: estou com Signal to Noise - provavelmente o melhro trabalho da dupla Gaiman McKean - emprestado. Não é presente, mas é como se fosse. Esse eu vou enrolar um tanto para devolver
Tenho uma pequena pilha de livros novos para ler. Ganhei quase todos ontem, de aniversário. Na verdade, dois deles - O Livro das Cousas que Acontecem (do Daniel Pellizzari) e Húmus (Paulo Bullar) foram enviados para resenha, mas vou fazer de conta que o pessoal da Livros do Mal enviou em comemoração à data.

Ganhei Distúrbio Eletrônico (Critical Art Ensemble), Livro Sobre Nada (Manoel de Barros), Minority Report (Philip K. Dick) e Primeiros Encontros - Um Livro de Encontros Memoráveis (Nancy Caldwell Sorel e Edward Sorel). Além dos livros, ganhei o DVD de A Rosa Púrpura do Cairo (Woody Allen).

Apesar de uma ou duas ausências destacáveis, a festa foi muito boa. A próxima deve ser daqui a uns cinco anos.

17.10.02

Em vez de falar sobre coisas interessantes, nas próximas semanas minha coluna vai ter que falar sobre os livros do vestibular. O pior é não me sinto nada preparado para isso. Li poucos deles e não sei o que as provas pedem deles. Acho que vou ter que pensar em alternativas mais interessantes.
Eu fico me perguntando se músicos e diretores de cinema que levam o negócio a sério são tão emputecidos com seus colegas e a audiência quanto os escritores de quadrinhos.

16.10.02

Um excelente comentário do Mário AV sobre a cobertura do segundo turno e a imparcialidade da imprensa.

15.10.02

A Shift publicou essa entrevista com Meg Hourihan, uma das fundadoras do Blogger. O texto parece mais um release que qualquer outra coisa: nenhuma novidade ou opinião controversa.
Acabo de voltar da portaria, onde peguei a cópia de Road to Perdition que ganhei numa promoção da Borderline. É a primeira vez que ganho alguma coisas nesse tipo de promoção.

Ao contrário da edição nacional - desmembrada em capótulos - a cópia que ganhei é um livro de quase trezentas páginas. Coloquei do lado de A History of Violence, outro volume da mesma coleção.
If someone says "you're beautiful inside," it's not necessarily an insult to your looks. So don't punch them.
O horóscopo da Nerve é o meu preferido. Até por não acreditar em horóscopo e esse ser o único divertido de ler que conheço.
Estou quase terminando O Caçador de Andróides - o romance de Philip K. Dick que inspirou Blade Runner. Ainda falta todo o confronto final com os dróides ("replicantes" é tão mais legal), mas já percebi há algum tempo que o livro e o filme são muito diferentes. Não só em ninharias da história, mas no tom.

Blade Runner se passa em um mundo detonado, mas ainda vivo. O mundo de Caçador está claramente morrendo e isso é muito presente. Além disso, o livro é mais incômodo que o filme. Eu diria "paranóisco", mas a palavra já foi usada demais para falar do autor - que fiquei com mais vontade de conhecer melhor.
A Salon publicou uma matéria sobre um sem-teto americano que mantém um blog. Segundo o autor, o propósito do blog é ajudar a mudar a visão que a sociedade tem dos desabrigado, além de ajudá-los a se organizar. Achei esse post particularmente interessante.
Douglas Rushkoff fez uma análise muito interessante da estratégia que o governo Bush está usando na guerra contra o Iraque. Claro que a guerra já começou. Ou você acha que essas declarações absurdas são o quê?
O editor do Fraude reciclou um texto da Trip sobre vícios da imprensa cultural brasileira. Não sei o quanto elas são extamente brasileiras ou são fruto de um mercado editorial pequeno, que tem que apelar a um gosto médio para se sustentar.

14.10.02

Existe algo mais sem sentido que se beijar na chuva? Beijar é bom e tal - mas quando penso a respeito - não acho que a chuva acrescente qualquer coisa. Quando penso: afetivamente, o cinema me convenceu que chuva é muito legal.
MemeFeeder is all about furthering the Net as a place for collaboration, and personal and creative expression. It is also about doing something that'd never been done; multi-directing an online short film. Watch the original or view a random combination of scenes.
Eu quero
É possível que Starman ganhe uma versão para a tv. O produtor que escolheu isso é uma mula. Apesar de excelente, Starman é uma história que recorre muito ao universo DC, buscando elementos e situações de histórias publicadas há pelo menos quarenta anos. Funciona em quadrinhos e é o melhor aspecto da série, mas vai se perder totalmente na telinha.
Antes me deixe explicar que a minha estante de livros está dividida em três partes. Os que eu já li, os que vou ler e os acima. Os acima são os que me derrotaram e quero deixar bem claro que não é por causa das palavras difíceis. As vezes nem mesmo o coloquial contemporâneo me atraí, como na caso de Seventeen de Kenzabro Oé . Outras vezes deve-se a estrutura da narrativa ou voltas a passagens que não consigo identificar mais. Se me sinto perdido ou não consigo descer ao cerne que o autor espera de mim, então eu sei que estou a meio caminho da derrota. Derrota sim. Não gosto de abandonar um livro.

13.10.02

High street billboards could soon start talking to consumers and people walking past as advertisers look to harness new technology.
O Makeblog dá várias dicas para quem quer incrementar seu blog.
Fear my ninja powers! Nobody can stand the heat of the ninja.

12.10.02

Enquanto se discutem alternativas viáveis para os direitos autorais na Internet, Taiwan se nega a extender o copyright por mais 20 anos. Não seria muito importante, se o país não fosse um dos maiores fabricantes de quinquilharias do mundo.
Isso é tão errado! Não é possível que alguém tenha tanto dinheiro sobrando a ponto de comprar o remake de He-Man. O negócio era ruim quando eu tinha dez anos, imagine hoje!
Se eu conseguisse seguir essas dicas, acho que seria uma pessoa menos ansiosa. Preciso meditar sobre a contradição inerente a pagar cinqüênta reais por um livro anti-consumismo.
Daí eu desisto de dar um livro de presente e resolvo trocá-lo por um para mim. Levo o negócio, dentro do embrulho da loja, abro e não tem o cartão de troca. E não tenho a maldita nota fiscal.

Juro para William Faulkner que vou tirá-lo da prisão até o fim do ês.

11.10.02

As pessoas chegaram aqui procurando:
hallelujah king george II; THE SINGLES CAR: A free zone for unattached New Yorkers; dogfuckers; A Hora da Estrela meran Salvador; foundation33; Salvador blog; o cheiro do ralo; pró-anorexia; livro dos codigos; mensagens sobre o dia dos professores; site com mensagens legais sobre o dia do professor; marvel mangaverso; pró-anorexia; dave sim cerebus; spider jerusalem glasses; eye candy; maquina de pinball clarah; channon yelena spider jerusalem; produto do dia; KAMPF; homossexualidade em bangkok;


Variado este blog, não?
With the largest high-speed Internet market penetration in the world, South Korea has seen the broadband future that has stalled in so many other places.
(Se você não é cadastrado no New York Times, use leituras como usuário e dodia como senha.)

10.10.02

A American Heritage publicou uma lista de coisas que têm mais - ou menos - reputação do que merecem. Entre os ítens estão poetas, cachorros, feministas, pirata, compositor, estrada, carro, emenda da constituição e romance.

Estranhamente, o romance underrated é O Grande Gatsby. Quem fez a lista quer o quê? Que Gatsby seja declarado o melhor romance para todo sempre em todo o universo?
The Top XXX Clichés of alt.sex.stories
Well, actually the biggest work which I think I'm still creatively recovering from is years old, which is 300. That one actually took more out of me more than anything I've ever done. I loved that story so much and worked on it so hard and killed myself on the sucker, that I still feel, certainly I've been reeling from it ever since Then there was SIN CITY:HELL AND BACK and DK2, and DK2 brought the added tension of so many people watching it happen.
Frank Miller, em entrevista à Pulse. A segunda parte já está no ar.
Depois da coluna de hoje, sobre Dentes Guardados e com a versão resumida da entrevista que saiu no Claque, chega de Livros do Mal.

Pelo menos até eu ler mais algum deles.

9.10.02

98% dos livros estão fora de catálogo e ainda sob proteção das leis de direito autoral. Enquanto a decisão que extendeu a proteção por mais 20 anos - impedindo que qualquer um possa usar o Mickey - é questionada nos tribunais, algumas pessoas mostram as vantagens de ter mais livros em domínio público. E de uma forma bem impressionante
Aparentemente, eu sou Steven Grant ou Warren Ellis.
Um duelo entre Bush e Hussein ia ser a coisa mais legal do mundo! A idéia é do vice-presidente do Iraque. Claro: Saddam is destruir Bush no primeiro round.
É só ir juntando os pedaços - a maioria disponível na rede através de fontes oficiais - para perceber que um plano de dominação mundial está em marcha.
Coisas que todos devem saber (mesmo torcendo para não precisar): Cegar uma câmera de segurança. Claro que divulgar informações como essas é questionável, mas é fundamental que os cidadãos tenham defesas contra governos e corporações.

(Se você não é cadastrado no New York Times, use leituras como usuário e dodia como senha.)

8.10.02

Você sabe como é feita uma história em quadrinhos? Rob G - desenhista de Teenagers from Mars mostra um dos modos.
Fico contente quando encontro alguém que tem a opinião parecida comigo sobre a literatura-diário. Não sei se cabem as comparações - ou exigências - que o autor parece fazer, mas concordo com o argumento geral.
O Google está pensando em cobrar por alguns serviços, em especial o Google News.
A pergunta é boa: o que leva alguém a estudar música erudita quando o público é tão pequeno e se importa tão pouco? A resposta é melhor:
We believe that if through determination, hard work and talent, we are able to make truly great works of art, sooner or later people will grapple with these works, come to see their value, and develop the sense of awe we feel in the presence of true masterpieces.
Há algumas horas doei meus últimos gibis no formatinho. Ou seja, os últimos quadrinhos que guardei do meu período de maior vício, que foi de 90 a 96, mais ou menos. É estranho pensar quantas coisas deixei de fazer ou comprar para ter essas coleções completas de que me desfiz ultimamente.
A segunda edição da deZine está no ar. Muito bonito e com temas interessantes, mas tratados muito superficialmente.
Eu já desconfiava, mas é sempre chato confirmar: todas as revistas nas bancas têm a mesma capa. O mais grave é que elas são piores que as capas do passado.
O Brasil se interessa basicamente pelo Brasil. É uma nação paroquial, não uma nação imperial.
Bruce Sterling, em entrevista para a Play. O texto está disponícel no Webinsider
Winona Ryder - que já achei a mulher mais interessante do mundo, mas acho vagamente irritante hoje - pode pegar até três anos de cadeia por ter roubado roupas em uma loja de Los Angeles.

Mesmo que ela seja chata, é um pouco demais, não? Principalmente olhando para as especificidades do caso.

7.10.02

Entrevistei o Daniel Galera e o Daniel Pellizzari - da Livros do Mal - para o Caderno Dez!, mas tive que cortar tanto que deu pena. Então fiz uma introdução maior, deixei as perguntas todos e mandei pro pessoal do Claque.

A entrevista está aqui.
There's no mystery where the James Bond books get their air of dyspepsia, ennui and fatigue. Fleming lived as hard as his hero, one of whose central preoccupations is a determination 'not to waste my days in trying to prolong them'.
Há algo muito estranho acontecendo no espaço. Encontraram mais um planeta - um pedaço de gelo - além da órbita de Plutão.
Quem me empresta Alta Fidelidade? O livro.
O Arts & Letters Daily - um dos melhores sites da Web e por onde eu iniciava minha navegação diária - acabou. Tirando o gibi que ganhei no post aí de baixo, só recebi notícias ruins nos últimos meses. E não estou falando só do fim de fóruns e sites.
Acabo de receber um e-mail dizendo que ganhei a versão em quadrinhos (a original, em outras palavras) de Estrada da PErdição. Num sorteio da Borderline. É a primeira vez que fanho alguma coisa em uma promoção dessas.

6.10.02

O Warren Ellis Forum acabou. Apesar de ter piorado muito nos últimos meses, eu sei que vou sentir saudades. Ellis ainda pode ser encontrado no blog Die Puny Humans, nas colunas Brainpowered e no mailzine Bad Signal.
A Conrad vai lançcar Voz do Fogo, primeiro romance de Alan Moore. Muito bom, apesar de achar que os leitores de Watchmen e A Piada Mortal - os maiores sucessos de Morre no Brasil - vão ficar decepcionados.

4.10.02

Uma das muitas falhas da minha prateleira é não ter nada de Hunter Thompson. Em uma nota sem nenhuma relação, meu aniversário é dia 17.

O link é para um post do 168 Horas - um blog qua ando lendo há um bom tempo e que só não está na lista de favoritos aì do lado porque sou preguiçoso.
Lula está na Slate. Estou tentando não me empolgar, mas está difícil.
Isso parece legal, mas parece que - na última hora - o governo FHC quer matar a possibilidade de um padrão nacional de televisão digital.

Até onde eu saiba, nenhum dos nossos vizinhos começou a instalação de um padrão de DTV. Seria uma ótima oportunidade, principalmente se o próximo governo conseguisse fechar um acordo do tipo "só compra conteúdo das redes brasileiras quem usar o padrão nacional".
Primeiro eu explico que achei o link no blog do Warren Ellis. Depois, e só depois, eu digo que é uma das coisas mais assustadoras que já vi. E digo para você não olhar a Diseased Penis Image Gallery sem pensar bem.
Um dos comentários mais eloqüêntes que já vi sobre a inteligência artificial. Morda-se de inveja, Cybelle.
Na disputa pelos direitos de Miracleman e outras coisas mais, Neil Gaiman venceu o primeiro round. Vamos ver quanto tempo demora a apelação.

3.10.02

Taí, um texto sobre a manipulação dos meios de comunicação pelos grandes e pelos nanicos que poderia ser muito interessante. Mas parece que o autor cansou antes de começar.
Lovers of the old art may speculate on whether the Housebook Master is the same bloque as the Master of thr Amsterdam Print-room or whether the Ciscumcison in Achen may be given to the Master of the Tucher Altarpiece.

It may sound like moving old dust to some, but the joy of spending time with thise wirks is to you like a grand meal woth a fine wine.

No doubt that´s lost on many also. To them, eating and drinking is but refuelling. Keep a pump in the kitchen and top up three times a day
Mais um trecho de How to be an Artist.

Tenho pensado muito nos limites das possibilidades das histórias em quadrinhos. As possibilidades expressivas, não comerciais (que não são muitas). Ainda não consegui pensar em nenhum programa de efeitos que já tenha encontrado no cinema ou literatura que não tenha encontrado nos quadrinhos.

Mas isso implica que os quadrinhos podem fazer tudo que outros media podem? Até onde eu saiba, sim. Já vi jornalismo em quadrinhos, manuais de instrução e uma variedade imensa de gêneros narrativos.

Apesar de ver uma distinção fundamental entre hq e literatura, acredito que os quadrinhos sejam pelo menos tão versáteis quanto o cinema.

Vamos ver como vou testar essa hipótese.
Misjudging one's ability to knock out a book can only be a serious and time-consuming mistake. Save the typing, save the trees, save the high tax on your own vanity. Don't write that book, my advice is, don't even think about it. Keep it inside you, where it belongs.
Exatamente o tipo de coisa que eu preciso ouvir. Principalmente porque eu tenho pouco mais de um ano para terminar meu primeiro livro - um romance ou uma novela. Algum dia que me sentia especialmente confiante, decidi que concluiria - mesmo que não publicasse e o negócio não prestasse - um livro até meu aniversário de 25 anos. Há uns dois anos atrás, esse prazo parecia muito distante.

Levando em conta que nem comecei a escrever, que sí tenho dois conjuntos independentes de notas (cada um a respeito de uma histíria) e que neste mesmo prazo pretendo me formar e sair de Salvador, a tarefa parece impossível.

Isso não implica que eu não vá tentar, apesar de implicar algo sobre minha inteligência.

Ah, ia me esquecendo: o primeiro que me perguntar sobre o livro apanha.

(Se você não é cadastrado no New York Times, use leituras como usuário e dodia como senha.)
Eye Candy

O terceiro número da Bo.Ssa - revista eletrônica de arte que reúne colaboradores de vários lugares do Brasil - já está no ar.
A Cabeceira de hoje é traz O Livro dos Códigos. Tinha tempo desde a última vez que eu falei de um livro de não-ficção.
Ontem, fui tentar adiantart as coisas de um vídeo que estou fazendo com amigos. Não conseguimos fazer nada - deu tudo errado. Mas descolei uma cópia de Kant e o Ornintorrinco, um dos livros do Umberto Eco sobre semiótica. Eu juro que qualquer dia devolvo.
Que tal comprar um computador histórico? O laptop de Kevin Mitnick está à venda no E-bay.
Olá.

Eu quero fazer um filme de ninjas, quem vai me ajudar?

Claro que vai ser o maior mangue. Preciso de ajuda.

Penso em Boni como papel principal. Ele até tenta ser ninja de verdade!

Tenho que encontrar a companheira do Ninja. Acho que vou chamar Fernanda Japa. Claro que eles terão que ter um mascote. Talvez eu chame Tyler pra ficar latindo e fazendo cara feia, enquanto preso em um coleira. Sério.

Quero ver se convenço Rodolfo pra fazer o chefão. Ele também vai ter um mascote, mas ainda não faço idéia. Talvez Mad "Alan" Dog. Ou Renata.

Alguma sugestão? Meio me.
É cada uma que me inventam.

2.10.02

1.10.02

A publicidade é - apesar dos protestos dos economistas - capaz de fazer com que compremos o que não teríamos interesse de outro modo. Pelo menos é o que indicam alguns estudos sobre os efeitos dos anúncios no cérebro.